brasília thomaz farkas

Brasília não tem culpa

Nascida da obstinação de JK em transferir a capital do Brasil para o planalto central em busca de maior integração nacional, Brasília foi inaugurada por ele em 21 de abril de 1960. A cidade de Brasília não tem culpa das negociatas que certos políticos, funcionários públicos e empresários aprontam nos corredores e salas fechadas de alguns de seus prédios, por isso vale relembrar um pouco dessa história. Alguns até argumentam que a distância geográfica da capital federal em relação às principais metrópoles brasileiras agravaram nossos problemas políticos, não acredito nessa tese.

jk inauguração brasília
JK saúda a população na inauguração de Brasília em 21 de Abril de 1960 (fonte: Arquivo Público do Distrito Federal)

A proposta dos arquitetos Lúcio Costa e Oscar Niemeyer venceu alguns concorrentes em concurso público para a construção de Brasília, assim eles começaram a concretizar o sonho de JK a partir de 1956. Depois de Salvador (1549 – 1763) e Rio de Janeiro (1763 -1960), a cidade planejada de Brasília é a terceira cidade a abrigar nossa capital e foi definida por Costa em entrevista aos Diários Associados no dia da inauguração como “planejada para o trabalho ordenado e eficiente, mas ao mesmo tempo cidade viva e aprazível, própria ao devaneio e à especulação intelectual capaz de tornar, com o tempo, além do centro de governo e administração, num foco de cultura dos mais lúcidos e sensíveis do país”.

Na inauguração, Brasília contava com 200 mil habitantes. A gente humilde que construiu Brasília, apelidada de candanga, era em sua maioria goiana, seguida pelos mineiros (20,3% do total), baianos (13,5%) e cearenses (7,4%) em quarto lugar.

brasília thomaz farkas
Pessoas passeiam na entrada do Congresso em 1960 (foto de Thomaz Farkas)

Em 1967, o cineasta Joaquim Pedro de Andrade lançou o curta-metragem Brasília: Contradições de uma Cidade Nova, que mostra como os operários, a maioria sem emprego depois da construção, passaram a ocupar as chamadas cidades-dormitório ao redor da cidade. O filme explicita os contrastes entre o futurismo de Brasília e os problemas sociais da cidade.

Brasília continua uma cidade bem desigual. O índice de Gini, que mede a desigualdade social, é de 0,57 no Distrito Federal, o mais alto do Brasil, que é de 0,50. O contraditório é que, ao mesmo tempo, a cidade possui R$ 57.665 de produto interno bruto per capita, o maior do país em comparação a outras capitais e três vezes maior que a renda média brasileira.

Inspirado no file de Joaquim Pedro, o diretor Getsemane Silva lançou em 2013 o documentário Plano B, que busca os personagens do filme de 1967 e faz uma reflexão da situação atual da capital federal.

brasília 1960
Construção do Palácio do Alvorada (Fonte: Buzzfeed)

Fonte usada: site Congresso em Foco.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: