• As coisas que eu sinto só por te olhar livro

    As coisas que eu sinto só por te olhar

    Este é o título do livro que marca a estreia do escritor Conrado Muylaert na literatura nacional – e, diga-se de passagem, que estreia! A obra caiu em minhas mãos por uma destas felizes casualidades do destino, e me prendeu antes mesmo que eu pudesse abrir na primeira página. Porque o título em si já conta uma história, e imediatamente coloca nossa imaginação

    Ler mais

  • zeka sixx

    Só é literatura quando incomoda

    Como escritora, editora e, principalmente, leitora, tenho observado um fenômeno desconcertante acometer a literatura nacional: o processo de politização obediente dos novos escritores brasileiros. Muitas vezes tenho a impressão de que a nossa produção literária cortou o cabelo, fez a barba, colocou sapatos de couro, terno, gravata, e agora é o genro que mamãe pediu a Deus. E, sabem: isso me incomoda. Profundamente. Porque,

    Ler mais

  • Para crianças que leem

    A Pequenina e o Fantástico Baile Estelar, novo livro de Tael de Araújo, pergunta aos pequenos leitores: você está disposto a lutar pelos seus sonhos? Certa noite, Tael de Araújo, pseudônimo do escritor goiano Israel Teles, percebeu que sua filha observava atenta o móbile, com a lua e algumas estrelas, que girava sobre seu berço ao som de uma melodia. Foi quando surgiu

    Ler mais

  • livro Contos de Autoajuda para Pessoas Excessivamente Otimistas

    Contos de Autoajuda para Pessoas Excessivamente Otimistas: um nocaute por página

    Livros de autoajuda são destinados a um público bastante específico: o leitor melancólico, com tendências pessimistas e dificuldades para encontrar sozinho motivos para sorrir – ou simplesmente para não morrer de desgosto. Daí o nome: autoajuda. Você se (auto) beneficia lendo frases otimistas, cheias de esperança e reconforto. “Ser feliz só depende de você”, “Nunca desista dos seus sonhos”, “Sorria perante as dificuldades”.

    Ler mais

  • Artesão das Palavras: um livro escrito para o leitor e pelo leitor

    Já li muitos livros de crônicas, dos mais diferentes escritores, das mais distintas nacionalidades. E algo que percebi, em grande parte deles, foi a forma impositiva e até agressiva de alguns autores ao apresentarem suas ideias e opiniões. Como se, quem pensasse diferente, não fosse digno sequer da honra de lê-los; que dirá de ter do escritor respeito e consideração. Este detalhe sempre

    Ler mais

  • A Mão de Celina e a maturidade literária de um jovem escritor brasileiro

    Era 11 de junho de 2014 e o escritor gaúcho Jeremias Soares se preparava para o lançamento de seu segundo livro, que aconteceria durante a 30ª Feira do Livro de Canoas/RS, a segunda maior do estado. Enquanto a maioria dos brasileiros se ocupava com a abertura da Copa do Mundo, que ocorreria no dia seguinte, Jeremias só pensava em como seria a recepção

    Ler mais