O beat William Burroughs e o rock

Burroughs – Imortalizado como a figura beat por excelência, o escritor William Burroughs virou, em suas últimas décadas de vida, um verdadeiro oráculo do mundo do rock. O velho Bill participou de clipes de bandas como Sonic Youth e Ministry, entrevistou David Bowie para a Rolling Stone norte-americana. E não parou por aí: Kurt Cobain acompanha Burroughs na leitura de um de seus escritos e Frank Zappa e Patti Smith pediram a bênção para o ícone da contracultura.

William Burroughs nasceu em Saint Louis, nos Estados Unidos, em 5 de fevereiro de 1914  e morreu em 2 de agosto de 1997. 

Em 1974, Burroughs entrevistou David Bowie para a Rolling Stone norte-americana
Em 1974, Burroughs entrevistou David Bowie para a Rolling Stone norte-americana

Leia a entrevista de Bowie a Burroughs em português no blog Socialista Morena

O  filme Drugstore Cowboy (1989), dirigido por Gus Vant, retrata a vida de um pequeno grupo de junkies. Burroughs interpreta o padre Murphy, um velho viciado em drogas, que filosofa sobre a relação das drogas com a política. Veja o trecho:

Burroughs escreveu novelas, memórias e poesia. Ele também pintou, fez colagens, tirou milhares de fotografias, produziu centenas de horas de gravações experimentais, atuou em filmes e gravou mais cds do que muitas bandas de rock.

 O pintor Francis Bacon (à esquerda) e William Burroughs ( Londres, 1989 - foto de John Minihan)
O pintor Francis Bacon (à esquerda) e William Burroughs ( Londres, 1989 – foto de John Minihan)

Na década de 1940, Burroughs mudou-se para Nova York, onde iniciaria sua carreira literária e faria amizade com Jack Kerouac e Allen Ginsberg, entre outros escritores beat. Teve inúmeras experiências com alucinógenos e foi viciado em diversas drogas, incluindo morfina.

Em 1951, matou sua mulher em um acidente com arma de fogo, o que ele próprio mais tarde reputou como experiência definidora para sua carreira de escritor. Dois anos mais tarde, lança sua obra mais conhecida, Junky, com o pseudônimo William Lee. Outro livro que o tornou conhecido foi Almoço Nu, lançado na França em 1959.

Na década de 60, o também escritor Norman Mailer afirmou: “William Burroughs é o unico romancista norte-americano que inegavelmente carrega genialidade em sua obra”. Burroughs morreu em 2 de agosto de 1997, na cidade de Lawrence, nos Estados Unidos.

5 de fevereio William Burroughs 

“Não nos damos conta de até que ponto a história é ficção. O passado em grande parte é uma invenção dos vivos. E a história é um montão de coisas fabricadas. Não há fatos de verdade”

William Burroughs

Burroughs no clipe do Ministry (1992)

Burroughs com Sonic Youth

Kurt Cobain acompanha com sua guitarra leitura de Burroughs

Fontes: blog Socialista Morena , site Obvious (texto de Guilherme Ziggy)  e site da Editora L&PM.

Comments (4)

  1. João Paulo de Almeida 18/03/2017

    O texto é legal, mas colocar esse merda do Eduardo Bueno é que estraga, ou seja, é uma parte a menos para se ver, não se perde nada.

    Reply
    • Olha, não curto muito o Bueno, mas achei muito legal a fala dele, principalmente a narração do encontro que ele teve com o WSB. Inveja do Bueno por ter tido o prazer de conhecer esse monstro da contracultura pessoalmente. Portanto, não entendi muito bem a sua crítica.

      Reply
  2. Pingback:Para conhecer algo de William Burroughs, que faria cem anos | Liberdade! Liberdade!

  3. Pingback:Pare conhecer algo de William Burroughs, que faria cem anos

Deixe uma resposta

Por favor, espere...

Cadastre-se e receba novidades!

Preencha seu email e nome.
%d blogueiros gostam disto: