O que é marxismo cultural?

A cultura não é neutra. É roupa que veste os fatos. Os fatos são fatos, e não se pode negá-los, exceto se você ostenta a suprema toga. Pode-se, porém, ressignificá-los.

Ninguém nega que os militares derrubaram o governo democrático de João Goulart, em 1964. É um fato. Contudo, varia a hermenêutica. Para uns, foi golpe; para outros, simples movimento, contrarrevolução ou intervenção salvífica de Nossa Senhora Aparecida, invocada pela Marcha da Família com Deus pela Liberdade, para livrar o Brasil da iminente ameaça comunista.

O “marxismo cultural” dissemina a versão de que se tratou de um golpe cívico-militar, e ainda insulta a imagem de oficiais das Forças Armadas e agentes policiais aos acusá-los de torturadores e assassinos.

Outro fato inquestionável é a existência do planeta Terra, no qual vivemos. No entanto, há quem afirme ser ele redondo, o que teria sido constatado pelo grego Eratóstenes no século III a.C. Contudo, há controvérsias.

Para os adeptos do terraplanismo ele é plano, e há uma muralha de gelo nas suas bordas, o que impede o esvaziamento dos oceanos. E acima de nossas cabeças paira o domo com o Sol e a Lua. Porém, a Nasa gasta bilhões de dólares para nutrir a farsa globalista de que a Terra é redonda.

No século XVI, o polaco Nicolau Copérnico concordou que a Terra é redonda, e ainda acrescentou que, integrada a um colar de planetas, ela gira em torno do Sol.

O leitor certamente se pergunta: como o “marxismo cultural” influi nessa questão? Aparentemente trata-se apenas de uma divergência astronômica. Só aparentemente.

O astrônomo polonês anteviu a tese do educador Paulo Freire de que mudança de lugar social tende a modificar o lugar epistêmico. Copérnico se deslocou virtualmente da Terra para o Sol e, dali, proclamou que o nosso planeta desenvolve uma dança sideral em volta do Sol. E, como se sabe, Paulo Freire era um cristão-marxista.

O “marxismo cultural” é capcioso, sutil, subliminar. Não reside apenas nas ideias de um professor ou em livros didáticos. Está na cor vermelha de uma camisa, no cabelo afro de uma aluna, nos trejeitos efeminados de um homossexual, até mesmo na equivocada versão de que o nazismo teria sido um movimento da extrema-direita. O nazismo era, sim, um movimento de esquerda chamado nacional-socialismo. Foi derrotado pelo exército soviético para que Hitler, caso sobrevivesse, não fizesse sombra a Stalin.

Outro efeito político do “marxismo cultural” foi o fascismo. Sabem por que Mussolini tinha o prenome de Benito? Porque seu pai, Alessandro, fervoroso socialista, quis homenagear o revolucionário mexicano Benito Juárez. Mussolini contatou Lenin na Suíça, em 1903. E em 1910 fundou, na Itália, o jornal “Luta de classes”. E dirigiu o jornal do Partido Socialista Italiano, em cuja redação trabalhou com o supremo mentor do “marxismo cultural”, Antonio Gramsci.

Uma das áreas preferidas do marxismo cultural é a das estatísticas. Todos sabem que não há fome no Brasil, pois, como observou a ministra, há suficientes mangas caídas nas ruas. Se não são mangas, são goiabas. No entanto, órgãos do governo, como o IBGE, ou globalistas, como a ONU, insistem em anunciar que 52 milhões de brasileiros vivem na miséria. Ou que há 13,1 milhões de desempregados, quando todos sabem que toda a população trabalha, seja catando o que comer em latas de lixo, seja na árdua tarefa de planejar um assalto a banco.

Para integrar o novo governo do Brasil não é necessário competência. Importa estar isento de qualquer influência do “marxismo cultural”. E fazer de conta que não tem ideologia. Essa vigilância quanto a vírus nocivos à nossa cultura deve ser exercida com lupa de caçar piolho em cabeça de pulga.

Só assim teremos um país livre de influência comunista e purificado da sutil inoculação de ideias que contrariam o único poder capaz de nos garantir quando a verdade é mentira, e quando a mentira é verdade.

Publicado originalmente no Correio da Cidadania.

Mais vendidos na categoria Política, Filosofia e Ciências Sociais

Deixe uma resposta

Por favor, espere...

Cadastre-se e receba novidades!

Preencha seu email e nome.
%d blogueiros gostam disto: