Os cabelos brancos de On The road

Em cena do filme On The Road, Sal Paradise, alter-ego do escritor Jack Kerouac adoece em pleno México. Dean Moriaty, seu amigo e companheiro de armas no livro e na vida (como Neal Cassady) o abandona em um muquifo mexicano. Neste momento, algo se quebra. A amizade que os une na busca de experiências e no enfrentamento de um mundo hostil ao comportamento e estilo de vida deles cai por terra.

A busca desesperada por liberdade nos bordéis do México ou através do êxtase nos clubes de jazz termina ali. Era hora de ‘cair na real’, conviver com o individualismo da vida adulta e abandonar a vida gregária dentro dos carros em alta velocidade no interior norte-americano povoado de wasps e rednecks.

Cena do filme “On the road”

Décadas se passaram e a bíblia beat , que balançou o coreto da literatura na década de 50, tornou-se um respeitável senhor. Só assim, finalmente um diretor enfrentou a missão de adaptá-lo ao cinema. A essência do livro está presente: a aventura como fuga da vida careta, o consumo desenfreado de benzedrina, maconha e álcool, a admiração pelos escritores franceses Rimbaud, Céline e Proust, a amizade redentora e o sexo livre.

Os ‘irmãos’ Kerouac e Cassady

O texto frenético de Kerouac sempre foi um desafio para os cineastas. Francis Ford Coppola comprou os direitos do livro para o cinema em 1979 e coube ao brasileiro Walter Salles a empreitada. Diretor de inegável talento, Salles adapta a história pelo caminho de um realismo exacerbado, as cenas sucedem-se na tela de maneira desprendida. A frágil fita adesiva usada pelo caipira de Lowell para colar as páginas do manuscrito também serviu à trama para a tela grande.

Mas o filme pode emocionar tanto àqueles que embalaram seus sonhos com a literatura beat como pode levar a galera mais nova a buscar as obras de Kerouac, Ginsberg, Corso e cia.. Um dos pontos altos do filme são os momentos vividos entre a gangue de jovens escritores e o mestre do desregramento William Burroughs, interpretado brilhantemente por Viggo Mortensen. O ator reproduz com impressionante precisão o mesmo tom de voz do escritor.

Mortensen ressuscita Burroughs

A bela interpretação de Old Blue Lee, codinome de Burroughs na ficção, contrasta com  o trio de atores que dá vida a Sal, Dean e Marylou. A falta de carisma da geração Crepúsculo não segura a onda. Pior: Kristen Stewart (Marylou) acreditou que trair o namorado em frente às lentes dos paparazzis era uma atitude beatnik, agora está tudo bem, ela pediu desculpas via twitter.

Outros também não entenderam o espírito beatnik que embalava  Kerouac  na época da publicação de On the road.  O escritor Truman Capote o tratou com dedém: “that’s not writing, that’s typing”, ou seja, “isso não é escrita, é datilografia”. O grande mérito ainda preservado da obra de Kerouac é tornar viável a metamorfose da vida de qualquer jovem com certo talento e sensibilidade em arte sem grandes rococós literários.

A inspiração do livro vem basicamente da amizade e do espírito livre que transborda aos 20 e poucos anos. Mas, infelizmente (ou não), envelhecemos, inclusive o eterno Peter Pan Neal Cassady. Tom Wolfe nos mostra no seu livro O Teste do Ácido do Refresco Elétrico como Cassady chegou à maturidade: “aqui está o mesmo cara, agora com quarenta anos… Cassady nunca pára de falar. Mas esta é a melhor maneira de dizer. Cassady é um monologuista, com a diferença de que não se importa que alguém esteja ou não ouvindo.  Simplesmente solta seu monólogo, se necessário só para si mesmo, embora qualquer um seja bem-vindo”.

One Comment

  1. Ismael Machado 10/08/2012

    ismael machado

    bacana teu texto, fernando. só acho que a kristen segurou a peteca no filme. me surpreendeu.

    Reply

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: