Clemente: o movimento punk nunca há de morrer

Com colaboração de Isabela Gama

Clemente – O CONVERSA AO VIVO ZONA CURVA recebeu, no dia 25 de novembro, Clemente Nascimento, vocalista da banda Inocentes e vocalista/guitarrista da Plebe Rude. Em entrevista ao editor Zonacurva Fernando do Valle e editor do Vishows Luis Lopes, o músico afirmou que a morte de jovens negros da periferia faz parte da política pública de extermínio realizada pelo Estado brasileiro.

Ele relembrou as mortes ocorridas em um mangue em São Gonçalo, no Rio de Janeiro, provocadas por ação policial em vingança à morte de um sargento de polícia. Segundo moradores da região, havia marcas de torturas nos corpos que foram encontrados, já a Polícia Militar se justifica, como de costume, que todos eram envolvidos com o tráfico de drogas.

Clemente afirma que tinha um “x” nas costas por ser negro e punk. “O show das bandas punk acabava quando a polícia chegava” afirma com humor e sua inconfundível gargalhada.

Clemente conta que o movimento punk começou na periferia como forma de ir na contramão do rock tradicional, mas o estilo começou na raça e cresceu pela solidariedade entre as bandas. Ele conta que, ao contrário da maioria dos punks da época que foram se politizando e alargando sua formação cultural aos poucos, ele havia lido autores como George Orwell e Albert Camus.

Segundo ele, foi quando o movimento punk chegou no meio universitário e na classe média que ganhou uma veia mais ideológica. Clemente explica que as bandas com integrantes de nível universitário tinham acesso a melhores equipamentos musicais e conheciam, por exemplo, em teoria o anarquismo, parte do ideário punk.

Clemente relembra que o rock foi a trilha sonora para o Brasil dos anos 80 que vivia a reabertura política após 21 anos de ditadura militar. A popularidade do rock foi caindo após isso, mas Clemente não se mostrou saudosista, e diz compreender que atualmente os jovens não tenham o mesmo interesse como tempos atrás, o rap, por exemplo, é o gênero musical mais ouvido pelos jovens atualmente, e muitas de suas letras carregam tom crítico e de denúncia sobre a sociedade, assim como parte do rock fazia e ainda faz.

Para ele, um dos motivos para o rock ter se mantido na bolha dos fãs mais velhos é a falta de lugares e oportunidades para que novas bandas possam se apresentar. Ele cita as rádios de rock como a 89 FM e a antiga MTV como canais importantes para a divulgação de novas bandas. Atualmente, Clemente apresenta o programa Filhos da Pátria na Kiss FM

Essa falta de divulgação da mídia atual faz com que Clemente e outros artistas sejam quase que inteiramente responsáveis pela divulgação de seus trabalhos, ele conta que muitas vezes é abordado como se sua banda Os Inocentes estivesse em um hiato ou acabado de vez, quando na verdade a banda continua na ativa desde os anos 80.

Em comemoração ao aniversário de 40 anos dos Inocentes, completados este ano, a banda realizará um show no Studio SP, em 17 de dezembro. 

 

 

Summary
Clemente: o movimento punk nunca há de morrer
Article Name
Clemente: o movimento punk nunca há de morrer
Description
O CONVERSA AO VIVO ZONA CURVA recebeu, no dia 25 de novembro, o vocalista da banda Inocentes e guitarrista da Plebe Rude Clemente Nascimento. Em entrevista ao editor Zonacurva Fernando do Valle e editor do Vishows Luis Lopes, o músico afirmou que a morte de jovens negros da periferia faz parte da política pública de extermínio realizada pelo Estado brasileiro.
Author
Publisher Name
ZonaCurva Mídia Livre

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *